dafabet

Assine dafabet por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Até a ação da PF, conselheiros de Bolsonaro minimizavam o risco de prisão

Predominava no entorno do ex-presidente a versão de que ele estaria blindado por ser popular e pelo risco de transformá-lo em vítima

Por Daniel Pereira
11 fev 2024, 13h58

Até a operação da Polícia Federal (PF) da última quinta-feira, 8, conselheiros do ex-presidente Jair Bolsonaro minimizavam o risco de ele ser preso por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Eles alegavam que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já havia declarado o capitão inelegível e, assim, cumprido o principal objetivo do cerco judicial em curso: tirá-lo da próxima corrida presidencial.

Os conselheiros também lembravam que o ex-presidente é extremamente popular, o que funcionaria como um fator inibidor de uma ordem de prisão. Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas divulgado na nova edição de dafabet mostra que, se a corrida presidencial de 2026 fosse hoje, o presidente Lula teria 36,9% das intenções de voto, enquanto Bolsonaro alcançaria 33,8%, situação de empate técnico, considerada a margem de erro.

Pessoas próximas do ex-presidente também costumavam argumentar que uma eventual ordem de prisão vitimizaria ainda mais Bolsonaro, acarretando a mobilização de seus apoiadores, o que Lula e o PT gostariam de evitar. Filho mais velho do capitão, o senador Flávio Bolsonaro, por exemplo, era um dos que minimizavam a possibilidade de o pai ir para a cadeia.

Choque de realidade

Já um outro grupo de conselheiros, minoritário, dizia desde a derrota na eleição de 2022 que Bolsonaro corria sério risco de ser preso em decorrência dos múltiplos inquéritos a que responde no STF. Seria uma questão de tempo — e da descoberta do pretexto ideal para mandá-lo ao cárcere. A mais recente operação da PF deu passos importantes para responsabilizar Bolsonaro pelo que é descrito como uma tentativa de golpe e de abolição violenta do Estado Democrático de Direito.

Segundo a PF, Bolsonaro tomou conhecimento e determinou mudanças num texto que embasaria juridicamente o golpe, além de conclamar generais e militares de alta patente a pregar contra a segurança das urnas eletrônicas, com o objetivo de desacreditar o sistema eleitoral brasileiro, dizer que teve a reeleição roubada e, a partir daí, anular o resultado e convocar novas eleições. Há digitais do ex-presidente que apontam para uma ordem de prisão no horizonte.

Em entrevista ao site de dafabet após a operação, Bolsonaro negou ter revisado a minuta golpista que teria sido levado a ele por seu ex-assessor Filipe Martins, que foi preso. “Eu não despachava com ele. Nunca vi esse tipo de documento, tampouco assinei algo parecido. Além disso, ninguém dá golpe com documento de papel”, afirmou o ex-presidente.

Publicidade
dafabet Mapa do site

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por dafabet.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.

dafabet Mapa do site